Historial da Biblioteca da Nazaré

A Biblioteca da Nazaré é uma associação cultural fundada em 2 de Abril de 1939 com o objectivo principal, expresso nos seus estatutos “a promoção por todos os meios ao seu alcance, da cultura e do gosto pela leitura”. Esta aspiração central, uniu um número considerável de ilustres personalidades, interessadas na promoção da cultura, das quais destacamos o Dr. Branquinho da Fonseca ao tempo exercendo a actividade profissional na Nazaré, e o Dr. José Maria Carvalho Júnior que desempenharia durante mais de 20 anos o cargo de Director da Biblioteca. Conscientes da necessidade da existência de uma associação cultural de cariz popular, que desenvolvesse o gosto e hábitos de leitura, levaram por diante a constituição da Biblioteca da Nazaré e, de tal forma a projectaram, que hoje passado mais de sessenta anos, ela se mantém viva, actuante e fiel a estes princípios orientadores.
Desde os primeiros tempos da sua existência, foram definidos critérios na aquisição das obras, o que permite hoje afirmar sem qualquer dúvida, ser possuidora de valioso património bibliográfico, constituído por mais de quinze mil títulos, que vão da ficção literária à poesia, passando pela literatura especializada e técnica, especial destaque para a importância das obras, documentos, jornais locais, revistas, recortes, fotografias e teses universitárias referentes à Nazaré, que fazem da Biblioteca da Nazaré um dos principais arquivos históricos deste concelho. Não pode passar sem destaque o importante espólio doado por José Pedro, uma das figuras mais marcantes da Nazaré da primeira metade do século passado, e que pelo seu interesse histórico, torna obrigatório aos investigadores, estudantes, professores e a todos aqueles que pretendam tomar conhecimento sobre a vida e passado desta vila e deste povo, a passagem por esta Biblioteca.
Todo este património é disponibilizado para consulta ou empréstimo, tanto a sócios como a não sócios, com um critério de grande abertura. Importa referir que os seus utentes se espalham pelos diversos escalões etários, sendo no entanto a sua maioria jovens e oriundos da comunidade estudantil.
Debrucemo-nos agora sobre outra componente patrimonial, também ela importante e que interessa aqui referir: trata-se do conjunto dos seus sócios. Cerca de quatro centenas de sócios das mais diversas idades, manifestando a sua maioria grande carinho e atenção pela vida da associação, são porventura a razão da sua longevidade e da dinâmica que tem marcado a sua actividade. Na sua já longa existência, encontramos um número significativo de personalidades importantes da vida cultural e política local e nacional, que de alguma forma deixaram o seu nome ligado à Biblioteca da Nazaré. Citemos alguns: Branquinho da Fonseca – escritor e sócio fundador; José Maria Carvalho Júnior – médico, sócio fundador, Director da B.N. e personalidade de grande sensibilidade cultural; Francine Benoît – musicóloga; Augusto Vítor Coelho – juiz conselheiro; Rui Ferreira e Sousa – jornalista e escritor; Álvaro José Laborinho Lúcio – juiz conselheiro ex. Ministro da justiça; António Manuel Lança Cordeiro – arquitecto, pensamos ser suficiente para atestar da influência da B. N. na vida cultural da Nazaré.

Quanto ao movimento de leitura ou consulta regista uma média anual de 3.044 utilizadores, sendo de realçar que a sua maioria não são sócios da B.N., e que por esse facto, não lhes é exigido qualquer pagamento. Daqui se pode atestar, o carácter público dos serviços que põe ao serviço da comunidade onde está inserida.
Até aqui, temo-nos referido apenas e quase especificamente, à Biblioteca da Nazaré, enquanto depositária de um vasto património documental e literário, no qual se encontra uma parte de extrema importância da nossa memória colectiva, em permanente crescimento e actualização. Mas para além desta faceta da sua actividade, são de realçar as restantes iniciativas culturais desenvolvidas por esta Associação, que pela sua importância e regularidade, têm projectado a Biblioteca da Nazaré como o principal pólo cultural deste concelho.
A organização de uma Feira do Livro anualmente, que já vai na sua XXVI edição, tendo para além da preocupação da divulgação do livro e procurar incentivar o gosto pela leitura, a promoção de um conjunto de iniciativas culturais, que porventura se traduzem no ponto mais alto da sua actividade ao longo do ano. Para além desta iniciativa outras são de destacar, tais como:

-          Colóquios e debates
-          Exposições (pintura, fotografia, artesanato, tapeçaria etc. ...)
-          Comemorações e efemérides.
-          Lançamentos de livros.
-          Cursos de fotografia e teatro.
-          Exibição de peças teatrais e projecção de filmes.
-          Mostras de teatro para a infância e juventude
-          Concursos literários e de fotografia.
-          Várias actividades de promoção do livro e de hábitos de leitura.
-          Publicação de pequenas edições.
-          Espectáculos musicais.
-          Alfabetização e formação profissional.
-          Passeios culturais de divulgação do património histórico e arquitectónico do Concelho.

Por último, destaca-se a aposta na informática, num grande esforço para dotar a Biblioteca com os meios técnicos indispensáveis nos tempos modernos, sempre na procura de possibilitar aos utentes uma melhor utilização dos seus serviços. Foi adquirido equipamento informático moderno, onde destacamos o programa informático DCS Bib.
Para terminar, não podemos deixar de realçar que o conjunto das actividades aqui referidas, só foram possíveis, porque ao longo de toda a sua existência, na B. N. foi criado um espírito de dedicação e de servir a comunidade, extensiva a todas as suas gerações de dirigentes.
Importa ainda realçar, que toda esta actividade, a todos os títulos notável, ganha ainda outra amplitude, se levarmos em consideração os parcos recursos financeiros da Biblioteca, oriundos da quotização dos seus associados, das receitas das Feiras do livro e, por vezes, da atribuição de subsídios pela autarquia. 

Comentários